CO2 Kohlendioxid Reduktion Abbildung Schild Warnschild Illustration abstrakt Ausstoß Symbolbild Anstieg Erderwärmung neutral Emissionen reduzieren Energie Erde globale Erwärmung  Himmel Klima Klimaerwärmung Klimaschutz Klimaveränderung klimawandel aufhalten nachhaltig Natur stoppen natürlich pflanzen co Recycling Rohstoffe co2-frei stopp Symbol Treibhauseffekt Umwelt Umweltschutz Verkehrszeichen Verschmutzung Warnung Welt Wolken Zeichen öko Ökologie Ökosystem 2

Melhor fabricação com redução nos gases que prejudicam o clima

Na conferência do clima em Paris em dezembro de 2015, 195 líderes de nações concordaram pela primeira vez em limitar o aquecimento global a menos do que dois graus Celsius, e, se possível, a 1,5 graus Celsius, em comparação com os níveis pré-industriais. Um modo de fazer isso é reduzindo a emissão de gases de efeito estufa.
Para que isto aconteça, as indústrias também devem fazer a sua parte. Os processos de fabricação devem ser não apenas econômicos, mas também compatíveis com o meio ambiente. Em última análise, a terra deve continuar a oferecer espaços habitáveis para as gerações futuras. Com soluções técnicas inovadoras, a LANXESS contribui para reduzir e prevenir a emissão de gases de efeito estufa em suas unidades de fabricação.

Redução nas emissões

Com Sucesso: Nos últimos sete anos, a LANXESS reduziu suas emissões diretas de gases prejudiciais ao clima em quase 50%. De 2007 para 2014, as emissões oriundas das plantas da empresa diminuíram de cerca de 3,5 milhões para 1,76 milhões de toneladas métricas de CO2 equivalente por ano. Apesar da redução nas emissões de CO2 em termos absolutos, a LANXESS aumentou o volume de produtos vendidos em 100.000 t no mesmo período de tempo. Ao mesmo tempo, a emissão de compostos orgânicos voláteis (COV) diminuiu cerca de 30% de 2010 para 2014.

LARA_2009-00039-01_05_2d85177b60Na Alemanha, a emissão anual diminuiu de 1,89 milhões de toneladas métricas de CO2 equivalente para 0,31 milhões de toneladas métricas. LARA tem um papel importante aqui: Com duas plantas modernas de redução de óxido nitroso (denominadas abreviadamente LARA) em Krefeld-Uerdingen, o altamente danoso para o meio ambiente óxido nitroso (também conhecido como monóxido dinitrogênio ou ‘gás hilariante’), produzido durante a fabricação de ácido adípico na quantidade de cerca de 5000 toneladas métricas por ano, é totalmente neutralizado. A LANXESS é a única produtora de ácido adípico no mundo que neutraliza totalmente seu gás de efeito estufa.

Energia a partir de vagens de soja

72_nagda_03Na unidade de Nagda, na Índia, a LANXESS utiliza a biomassa como combustível. A soja é a planta mais cultivada nesta região. A empresa química, portanto, utiliza as vagens de soja, um produto residual do cultivo da soja. Ela compra as vagens diretamente dos agricultores locais, também apoiando o setor agrário local na região. A energia e o vapor são gerados em uma usina combinada de energia e calor com CO2 neutro (CHP). Isso significa que a usina geradora libera apenas uma quantidade de CO2 equivalente àquela consumida novamente pelas usinas renováveis de soja.  A planta cobre cerca de 70 e 100% das demandas de vapor e eletricidade, respectivamente. Isso também melhora consideravelmente o equilíbrio de CO2: A economia totaliza cerca de 70.000 toneladas métricas de carvão por ano.  Com isso, as emissões de CO2 no local foram diminuídas em cerca de 120.000 toneladas métricas por ano.

Biomassa no Brasil

PortoFeliz_IMG_9473_cr_01Também em Porto Feliz, a LANXESS utiliza processos ambientalmente sólidos: No início de 2004, a LANXESS começou uma reconfiguração fundamental de seus processos de fabricação com o chamado Método de Retrolavagem. O consumo de água diminuiu então em 44%. Além disso, a produção de energia na planta combinada de energia e calor é neutra para o clima desde 2010 devido ao uso de combustível renovável, não agressivo ao meio ambiente. A planta de geração de eletricidade e vapor tem uma capacidade de cerca de 4,5 megawatts e uma eficiência de até 90%. Como a planta em Nagda, ela é operada exclusivamente com biomassa. O resultado: As emissões diretas de gás de efeito estufa na produção de pigmentos inorgânicos diminuíram em 69% em comparação com o ano base de 2009. Em 2013, a geração de resíduos na planta foi reduzida em 44% em comparação com 2009.

Abastecimento estável

ZWIJNDRECHT-SITE-VIEW-3A planta de produção de borracha butílica da LANXESS em Zwijndrecht, na Bélgica, possui uma usina que gera energia e vapor para o processo de fabricação. Esta planta altamente moderna é operada com gás natural e, do mesmo modo, opera de acordo com o princípio de união energia-calor, o que torna a utilização de energia o mais eficiente possível. Como resultado, as emissões de CO2 foram reduzidas em cerca de 80.000 toneladas métricas por ano. Esta planta combinada de energia e calor é um projeto conjunto com o fornecedor de energia local. O fornecedor opera a CHP com sua própria equipe e garante à LANXESS um abastecimento estável, que é fundamental para o processo de fabricação.

Método inovador de purificação do ar residual

PJ_GC5A LANXESS fez ajustes para fornecer um ar mais limpo em sua unidade francesa em Port Jérôme. Está em funcionamento ali uma unidade de purificação de ar residual altamente moderna. A LANXESS produz borrachas em Port Jérôme, principalmente para a indústria de pneus. Cerca de 130.000 metros cúbicos de ar residual são produzidos por hora no processo de fabricação, contendo, principalmente, partículas de borracha e solventes na forma de compostos hidrocarbonetos. Isso contribui consideravelmente para a formação de ozônio troposférico e para o desenvolvimento do chamado smog fotoquímico. O ar residual é quase inteiramente purificado através da unidade de redução termal regenerativa, com seu processo de combustão inovador. Neste processo, todas as partículas de borracha são removidas e os hidrocarbonetos são filtrados para fora do fluxo de ar residual, concentradas e, finalmente queimadas. A combustão é realizada praticamente sem nenhuma adição de combustíveis fósseis. Este método reduz a emissão de CO2 em cerca de 50%.