_TME9809B

Melhor que Nunca

 

Os tanques de combustível de plástico são atualmente comum não apenas em carros, motocicletas, barcos e outras embarcações, mas também em uma ampla gama de máquinas dotadas de motores de combustão. Estes últimos incluem cortadores de grama, sopradores de folhas e geradores móveis de energia. Os tanques de combustível de plástico oferecem várias vantagens. No entanto, nem todos os materiais impedem de forma eficaz o escape de vapor de gasolina.

Uma série de vantagens

I_1_Tanks_neuOs tanques de combustível de plástico são bastante populares entre designers. Existem várias razões para isso. Em primeiro lugar, os tanques de plástico podem ser moldados em praticamente qualquer forma e podem ser feitos para se ajustar perfeitamente às peças subjacentes. Além disso, sua produção é mais barata, porque não envolve junções complexas de soldagem como os tanques de metal. Ao mesmo tempo, os tanques de plástico são geralmente mais leves no peso, o que facilita o manuseio, seja para uma motocicleta ou um cortador de grama. E por último, mas não menos importante, o plástico não enferruja.

 

Uma pequena desvantagem

I_2_TanksOs tanques de plástico têm sim uma pequena desvantagem: eles não são totalmente impermeáveis. Apesar de não haver o perigo de uma poça de gasolina se acumular embaixo do veículo, um tanque de plástico não evita o escape lento de vapor de gasolina. Esse fenômeno é conhecido como permeação e é o resultado da estrutura macromolecular do polímero. Pode levar à liberação de quantidades substanciais de hidrocarbonetos na atmosfera.

Isso explica porque a Agência de Proteção Ambiental (Environmental Protection Agency – EPA) dos Estados Unidos reduziu a permeabilidade máxima permitida de combustível de tanques plásticos em motocicletas e outros equipamentos à gasolina. O limite máximo agora é de 1,5 gramas por metro quadrado de superfície interior do tanque por dia (g/m2/d). Espera-se que a Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa siga o exemplo da EPA e reduza substancialmente o limite máximo para tanques de combustível de motocicletas feitos de plástico.

Desempenho de polímero bloqueia vazamento de gás

_TME9918BAssim, a LANXESS está desenvolvendo vários polímeros de alto desempenho que são altamente impermeáveis ao vapor de gasolina. Um desses materiais é o novo plástico Durethan Durethan BC 550 Z DUSXBL. “A Poliamida 6 suprime a permeação de forma tão eficiente dentro do rigoroso limite máximo estabelecido pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA para tanques de motocicletas. Ao mesmo tempo, possui alta resistência a impactos, o que significa que os tanques feitos com esse material são bastante resistentes a choques”, explica Maik Schulte, engenheiro de desenvolvimento na LANXESS. O material é uma excelente alternativa ao polietileno de alta densidade, que ainda é utilizado para fabricar muitos tanques de combustível para motores a gasolina.

Devido às suas características de permeabilidade, o polietileno de alta densidade apresenta problemas para atender o limite máximo mais rigoroso para tanques de motocicleta. A permeabilidade do tanque a hidrocarbonetos pode ser reduzida por fluoração subsequente. No entanto, isso envolve um passo de fabricação adicional, o que é complicado e oneroso por conta da natureza altamente agressiva do flúor.

O mais recente polímero de desempenho desenvolvido pela LANXESS também oferece vantagens substanciais em comparação com outros materiais de tanques, tais como o alumínio, chapa de aço e compósitos plásticos multicamadas.

Um processo de produção único

T_8754db4ff5Tanques em poliamida 6 são fabricados por meio de um processo conhecido como moldagem por sopro — uma solução de um único material por excelência, já nada mais é necessário para vedação. O novo produto também fornece uma alternativa de redução de custo para tanques feitos de compósitos de plástico multicamadas com uma barreira de permeação de EVOH (copolímero de etileno e álcool vinílico). Neste último caso, as camadas do compósito são laminadas em um processo tecnicamente exigente e comparativamente oneroso.

Comparada com a chapa de aço e o alumínio, a poliamida 6 também permite muito mais liberdade de design quando se trata da geometria complicada dos tanques. Elementos como acessórios de montagem podem ser diretamente integrados, o que facilita a montagem subsequente. E em contraste com a chapa de aço, por exemplo, não é necessária nenhuma conformação, perfuração ou soldagem, o que também ajuda a reduzir custos.

Adequado para biocombustíveis

III_1_TanksDe igual importância é o fato de que esse novo material oferece uma resposta para um dos mais prementes problemas deste século:  a redução da nossa dependência de combustíveis fósseis pelo maior uso de combustíveis produzidos a partir de materiais renováveis.

Na LANXESS, tomamos cuidado para garantir que a nova poliamida 6 seja compatível com as concentrações de etanol atualmente utilizadas em biocombustíveis. De fato, estudos preliminares mostram que o material é adequado até mesmo para gasolina com uma concentração de etanol de 85 por cento. “Esperamos que o nosso novo produto para tanque seja resistente a combustíveis E85”, confirma Schulte.

Diferentemente do alumínio, o termoplástico não reforçado e sem plastificante Durethan BC 550 Z DUSXBL possui a vantagem de não ser afetado por biocombustíveis à base de etanol. O etanol atrai água, o que significa que os tanques de alumínio sem um revestimento de proteção em suas paredes internas são suscetíveis à corrosão. As partículas produzidas por essa corrosão podem danificar o motor e as unidades auxiliares.

Além disso, o novo material é uma boa alternativa aos compósitos de duroplastic, que são uma opção popular para a fabricação de tanques de combustível para barcos. Ao contrário da experiência com tais compósitos, a matriz de polímero não é dissolvida pelo etanol. Como resultado, com o Durethan BC 550 Z DUSXBL não há mais nenhum perigo de acúmulo de depósitos nas válvulas de admissão e consequente dano ao motor.

4 respostas

Os comentários estão fechados.